Projeto de Pesquisa: como escrever?

O Projeto de Pesquisa é muitas vezes o ponto de partida de uma pesquisa científica. Ao longo da vida acadêmica, escrevemos diversos projetos, começando na Graduação para a Iniciação Científica, depois no Mestrado, Doutorado, Pós-Doutorado. Se você seguir carreira acadêmica, então, vai estar sempre submetendo projetos de pesquisa para instituições de fomento.

O post de hoje é simples e direto. Ele tem a proposta de ajudar você, que vai passar as férias de julho escrevendo um projeto para o próximo desafio da vida na universidade.

Diversos tipos de projetos

A grosso modo, dá para dizer que há uma estrutura básica para projetos científicos, com elementos comuns a todas as modalidades. Há também, claro, particularidades que diferenciam um projeto de IC de um de pós-doc. A FAPESP, que é a maior agência de fomento do Estado de São Paulo, exige os mesmos itens para o projeto de IC, Mestrado e Doutorado, por exemplo. Há instituições, que não especificam suas exigências para o projeto. Aliás, o CNPq ou a FAPEMIG, por exemplo, não chamam de projeto, mas sim de “plano de trabalho”; então se você quiser buscar modelos na internet, vale alternar os termos entre “projeto de pesquisa” e “plano de trabalho”.

Além disso, há as particularidades de projetos de cada área: com trabalho de campo, experimentos em laboratório, exames de pacientes, entrevistas, simulações em supercomputadores, etc. Mas vamos começar pela estrutura geral, o básico de qualquer projeto.

 

Projeto de pesquisa – itens fundamentais

Seu projeto deve conter, de forma genérica, uma descrição de seu objeto de estudos, dos objetivos da pesquisa e como você pretende desenvolvê-la, de forma que você consiga justificar a importância do estudo – em relação ao que já foi feito sobre o assunto, mas também para a Instituição ou Agência de Fomento à qual o projeto será submetido. Para isso, os seguintes itens devem ser contemplados:

Introdução:

onde você deve apresentar seu objeto de estudos, a sua pergunta, o tema de sua pesquisa. Mas a apresentação não é apenas descritiva! A justificativa dos porquês da escolha de tal tema ou da abordagem também deve vir logo na introdução. Aqui é aconselhável que você discuta o estado atual da pesquisa sobre o assunto, mencionando as principais contribuições à área. Isso vai te ajudar a inserir a sua pesquisa num contexto acadêmico mais amplo, a justificar sua abordagem, que pode preencher uma lacuna dessa bibliografia fundamental, ou desafiar alguma interpretação já consolidada. Além disso, discutir autores fundamentais da sua área mostra que você já tem alguma intimidade com o tema e atesta sua capacidade de pesquisa.

Objetivos:

neste item você deve descrever de forma clara e objetiva o que você pretende com a pesquisa ou quais são seus objetivos. Vá direto ao ponto: apresente sua hipótese e como pretende testá-la; ou exponha para o leitor o que pode acontecer quando você analisa um problema de acordo com aquela teoria específica.

A ideia é deixar claro para o leitor, entre a Introdução e os Objetivos, o que você pretende estudar e para que estudar isso da forma como você está propondo.

Cronograma:

a ideia aqui é dividir o trabalho em etapas e fazer uma estimativa de quanto tempo você deve precisar para cada uma delas. Note que eu disse “estimativa”, porque nem sempre é possível dizer de antemão e também podem acontecer imprevistos. Não se preocupe, porque os avaliadores sabem disso. O que você precisa passar para eles, neste item é:

  1. Você é capaz de enxergar e delinear as etapas necessárias para atingir seus objetivos de pesquisa;
  2. Você consegue apresentar uma lógica de pesquisa, baseada na sequência das etapas;
  3. O seu projeto cabe dentro do período determinado pela Instituição ou Agência de fomento.

Idealmente, o cronograma deve ser apresentado em formato de tabela, para ajudar na visualização do todo. Se você sentir que precisa explicar as etapas, pode fazer um texto descrevendo cada uma delas e depois adicionar a tabela, apenas com o nome das etapas e o tempo previsto de sua duração.

Metodologia:

este item também é chamado de “Materiais e Métodos”. Eu prefiro a ideia genérica de metodologia, porque acho mais aplicável às Humanidades. Mas se você faz uma pesquisa na qual o termo “materias” faz sentido, aconselho o uso de “Materiais e Métodos”.

Independentemente de como você a nomeie, esta seção deve conter a explicação de como você pretende desenvolver o trabalho. Qual será o procedimento para responder à sua questão (ou questões)? Como você pretende desenvolver cada etapa mencionada no item anterior?

As estratégias variam, obviamente, de acordo com sua área, mas a ideia geral é descrever:

  1. como você vai conseguir os dados da pesquisa – seja por trabalho de campo, experimentos, revisão de bibliografia, etc.
  2. como você vai abordar esses dados – se pretende fazer uma análise quantitativa ou qualitativa, se vai cruzar dados com outras pesquisas, se vai tratar o problema de forma retrospectiva (ou histórica), se fará estudos de caso, etc.
  3. como você vai conduzir sua análises – em que perspectiva teórica embasará suas análises; que métodos estatísticos pretende utilizar, etc.

Lembre-se de ser descritivo: mencione que tipo de equipamento vai precisar, quais experimentos pretende fazer, como pretende conduzir o trabalho de campo, que acervos deve visitar. Considere o máximo de recursos possíveis, entre pessoas, equipamentos e ferramentas.

Não se espera uma descrição super detalhada numa proposta de pesquisa; porém, é importante que você planeje como será a execução de cada etapa e que considere suas limitações. Não adianta você propor um teste de laboratório com um equipamento que não existe onde você pretende trabalhar. Ou uma análise de documentos que estão num acervo inacessível. Para isso, tente pensar nas seguintes perguntas:

  • do que eu preciso para fazer a pesquisa? Terei acesso a tudo isso na Instituição para qual estou submetendo o projeto? Em caso negativo, terei como adquirir os recursos que faltam? Como será a logística, em caso de pesquisa fora da minha instituição?
  • preciso de algum curso, licença ou certificação específicos para desenvolver a pesquisa? Como posso obtê-los?
  • dependo do conhecimento de outras pessoas, que não eu mesmo e meu supervisor ou minha supervisora? Sei como obter essa ajuda? Essas pessoas estarão disponíveis e dispostas a me ajudar?

Quanto melhor você conseguir delinear a pesquisa antes de começá-la, mais convincente seu projeto será. Além disso, sua execução ficará muita mais fácil!

Você pode também dividir o item sobre a metodologia em dois, separando a análise dos resultados. Assim você será capaz de enfatizar melhor como pretende conduzir o estudo, após a obtenção dos dados e fontes.

Título, Resumo e Bibliografia:

Nao se esqueça de dar um título ao seu projeto, escrever um resumo e adicionar a bibliografia utilizada.

Em geral, um projeto deve conter entre 10 e 20 páginas, com bibliografia e imagens. Nessas dimensões, seu resumo não deve ultrapassar 20 linhas. Mas (de novo!), não esqueça de conferir se há regras específicas para a sua submissão!

 

Dicas valiosas

O primeiro passo para uma candidatura bem-sucedida é, na minha opinião, saber o que se espera de você. Ou seja, confira no site da instituição se há um modelo determinado de projeto, ou se eles têm ao menos uma lista de itens exigidos.

Nem sempre você vai encontrar informações específicas, como no caso do CNPq. Nesses casos, tente buscar em instituições semelhantes, ou perguntar a alguém que já teve um projeto aprovado.

Já disse acima que o site da Fapesp traz especificações para as diversas modalidades que podem ser seguidas para outras candidaturas de bolsas ou de vagas de pós. Claro, caso não haja um modelo próprio determinado.

Peça ajuda! Não tente inventar a roda! Você não é o primeiro ou a primeira a escrever um projeto para determinada bolsa ou vaga. Pergunte para quem já fez, ainda mais se você é novo no assunto ou na metodologia. Sabemos que cada pesquisa é particular, mas como eu disse acima, há pontos básicos que devem ser tratadas em todas elas. É isso que faz da sua proposta uma pesquisa científica.

Além disso, você pode (e deve!) adaptar seu projeto de acordo com a candidatura. Um mesmo projeto pode ser submetido para mais de um processo seletivo. Mas convém você enfatizar coisas diferentes, pensando na banca avaliadora ou nos objetivos gerais da instituição. Por exemplo você pode focar no objeto, quando alguém da banca tem os mesmos interesses, ou você pode enfatizar a metodologia ou a teoria que embasa a pesquisa, caso os professores locais não trabalhem especificamente com o seu tema.

 

Observação sobre processos seletivos

Cabe dizer aqui também que os processos para a pós-graduação nas universidades brasileiras variam imensamente. Então fique super atento ou atenta ao edital específico da sua universidade de interesse. As diferenças não se limitam às exigências de documentos, mas à própria concepção de processo seletivo mesmo. Por exemplo, há instituições nas quais o futuro orientador ou a futura orientadora não podem participar do processo de submissão e não devem discutir o projeto de pesquisa com os candidatos. Por outro lado, há casos em que se você não entrar em contato com professores da casa antes do processo começar, terá menos chances de aprovação. Há casos em que você submete o projeto com o nome de quem gostaria que te orientasse; em outros, você escreve seu projeto de acordo com uma linha de pesquisa, e é selecionado por um professor ou professora, durante a banca avaliadora.

Por isso, repito aqui: cada submissão é um caso particular. Eu aconselho muito, para os casos em que não há restrições a esse respeito, que você entre em contato com professores e alunos da universidade para a qual vai submeter seu projeto. É importante para você saber dos interesses e das disponibilidades de pesquisa da casa.

 

Dica final muito valiosa 😉

Escreva o projeto não apenas para ser selecionado e aprovado; escreva um bom projeto que já te coloque no caminho certo para a pesquisa! Eu falei num post anterior sobre a tese de doutorado que usar o projeto como ponto de partida para escrever o trabalho final é uma boa estratégia.

Bom, se você está lendo isso antes de escrever o seu, então pense no processo como um todo; considere seu projeto a primeira etapa da pesquisa e não um fim em si. Sei que muita gente escreve o projeto e depois acaba esquecendo ele na gaveta, depois da aprovação. Tente não ser assim! Use-o como seu guia quando for pesquisar e escrever. Isso vai te ajudar a manter uma lógica da pesquisa, a visualizar cada etapa e onde precisa chegar. Com isso, você vai enxergar também o que deu errado de acordo com a proposta inicial e vai aprender a considerar certos aspectos de forma diferente, na hora de apresentar um novo projeto de pesquisa!

 

Vai passar as férias escrevendo um projeto? Como é o processo seletivo na sua área? Deixe um comentário abaixo e aguarde novas dicas específicas sobre projetos em diferentes áreas acadêmicas. Até lá!

4 comentários em: “Projeto de Pesquisa: como escrever?

  1. Sim, tenho 20 dias para delinear um projeto! Obrigada pelo post, Gabriella!
    Quando voce falou em pedir ajuda, acho que principalmente para os iniciantes, é fundamental acessar alguns modelos, que podem, idealmente, ser o projeto de colegas já aprovados no mesmo processo seletivo. Os veteranos podem ajudar muito! No mais, faz tempo que trabalho com a ideia de apontar um objetivo central e uma sequência de objetivos menores ou que se apresentam como um desdobramento possível/necessário.
    Um abraço! E força para todos!!

    1. Sim, Fanny, acho que vc pode ter um objetivo geral, que justifique seu trabalho e sua abordagem e estabelecer metas específicas, talvez para cada etapa do trabalho. Eu acabei fazendo isso no meu projeto de doutorado, porque a temática era muito abrangente. Ajudou muito, não apenas na hora de delinear o trabalho, mas de executá-lo mesmo. Estou aqui torcendo muito pelo seu 😉

  2. Passarei as férias escrevendo meu projeto de mestrado. Estou na fase louca de último ano de graduação, finalização de IC, TCC, prova escrita pela frente, eventos… São muitas emoções! Haha
    No programa de pós no qual desejo ingressar, a avaliação do projeto, prova escrita e entrevista compõem as etapas do processo seletivo. O programa especifica, em edital, o que deve conter no projeto. Mas mesmo assim, escrevê-lo é um desafio. Meus amigos do grupo de estudos que já estão na pós costumam dizer: “pari meu projeto”, “sofri as dores do parto” hahaha… Acho que faz todo sentido!
    Obrigada por todas as dicas. 😊☺

Deixe uma resposta