Dissertação de Mestrado

Trabalho Acadêmico: O que é? (Parte 2)

 

Trabalho Academico o que é

Créditos: Dooder – Freepik.com

Começando com uma obviedade: a dissertação de mestrado é o trabalho escrito que você produz para concorrer ao título de mestre em uma área acadêmica. Os demais requisitos para o título (disciplinas? proficiência em língua estrangeira?) podem variar entre áreas e universidades – mas a dissertação costuma ser uma constante.

Muita gente pensa que a dissertação é uma versão inferior da tese – em número de páginas e em importância. Na verdade, a principal diferença entre o mestrado e o doutorado, na minha opinião, é o grau de responsabilidade que recai sobre o pesquisador. Mestrados são normalmente mais curtos, os temas são mais pontuais – quando o objeto não é estudado em um contexto amplo – ou tratados com menos profundidade do que num doutorado. Com tudo isso, não se exige do mestrando uma pesquisa de grande impacto e o processo é visto como um aprendizado que foca mais na formação de estudantes como pesquisadores, do que como especialistas num tema.

Dessa forma, a principal diferença entre a dissertação e a tese recai no tópico da originalidade. Uma dissertação é um trabalho acadêmico que segue exigências científicas, mas não precisa se propor a tratar de um tema inédito ou apresentar uma abordagem revolucionária a um tema corriqueiro, como é esperado da tese.

No entanto, por ser o primeiro desafio de projeto para muitos estudantes, escrever a dissertação pode ser tão difícil quanto fazer a tese.

Se você está começando o mestrado agora, pense nele como uma chance de desenvolver suas habilidades de investigar um tema de forma independente, porém sob orientação. Ou seja, você mesmo deve conduzir a pesquisa, mas deve trocar experiências com colegas e discutir com sua orientadora ou seu orientador sobre o andamento do trabalho. Uma relação próxima com a orientadora ou o orientador é ideal para o seu crescimento durante o processo, mas nem sempre é possível aproveitar dessa troca. Se esse for seu caso, encontre alguém com quem conversar sobre os melhores caminhos para conduzir sua pesquisa. Dividir é fundamental e eu vou falar um pouco mais sobre isso no futuro. Por enquanto, foque nas exigências gerais da dissertação de mestrado.

Se você conduziu a pesquisa e já trabalhou a literatura sobre o assunto, está na hora de começar a rabiscar a dissertação. No mundo ideal, você já sabe onde quer chegar (ou já chegou) com seu mestrado e delinear os itens da dissertação não deve ser tão difícil. Porém, há casos em que as ideias e conclusões só ficam claras quando você já está no processo da escrita. Portanto, começar o quanto antes com o rascunho da estrutura da dissertação ajuda muito.

Um trabalho acadêmico é composto de introdução, corpo e conclusão. Na introdução, você deve apresentar o seu problema e a forma como o texto está estruturado, de modo que o leitor saiba o que o espera em cada capítulo. Na sequência, você deve apresentar sua perspectiva teórica, a metodologia de trabalho e análise, resultados e uma conclusão. Na conclusão, você deve retomar a problemática do trabalho, resumir seus argumentos e resultados, mas principalmente refletir criticamente sobre a pesquisa, sobre o que você aprendeu e sua contribuição e sobre o que fica para o futuro da disciplina. Como cada um desses itens deve ser desenvolvido depende de inúmeros aspectos, como por exemplo a sua área do conhecimento. Se você é da química e está fazendo experimentos em laboratório, seu capítulo sobre a metodologia de trabalho, por exemplo, deve conter os materiais usados e os procedimentos seguidos para cada experimento. Por outro lado, se você está escrevendo um trabalho em direito, e quer comparar teorias que permearam certos julgamentos, você provavelmente vai passar boa parte dos capítulos iniciais explicando como essas teorias surgiram e como vêm sendo aplicadas no campo do direito.

O que eu gostaria que ficasse deste post é a ideia básica da dissertação como trabalho acadêmico: há procedimentos a serem seguidos, seja para um trabalho em artes plásticas, ou em neurociências. Eu mesma sou das Humanas e sempre me incomodei com o fato de ter que preencher o item “materiais e métodos” para os projetos submetidos ao CNPq, por exemplo. Hoje penso que isso colaborou para certas dificuldades que tive ao lidar com a abstração de certos temas (vou explorar isso num post futuro). Não estou dizendo para você encaixar seu trabalho nas categorias tradicionais de ciências e enquadrar suas teorias e argumentos em metodologias e análises pré-estabelecidas. De jeito nenhum! Estou só te aconselhando a pensar a sua pesquisa de mestrado e sua dissertação como um trabalho que deve ser dividido em etapas e que essas etapas devem ser reportadas adequadamente no trabalho final. Isso facilita a vida, te dá um caminho mais concreto a ser seguido.

 

No post seguinte. Vou trazer um passo a passo para facilitar a vida de quem está fazendo um mestrado ou doutorado. Até lá!

Deixe uma resposta